Mosaico contemporâneo de Gougon e outras artes

Mosaicos de Portinari

Home
Saudades do velho mosaico
Tesselas musivas no espaço escultórico
Novas peças em tesselas de mármores
Aço com tesselas de mármore
Um aparador, o eterno retorno
Mosaico de Portinari no DF
Jogo de Varetas: ferro e pedras
Uma virada na arte contemporânea
Mosaicos pós-contemporâneos
MOSAICOS CONTEMPORÂNEOS EM PARIS
Frida Kahlo: Uma epifania e uma alegoria mexicana
Loucos de Pedra na mídia
Mais intervenções urbanas casando mosaico e poesia
Correio Braziliense publica Mosaico
Poesia e Mosaico nas ruas
Um mosaico para Lúcio Costa
Mais Frida Kahlo
Israel Pinheiro, hematita nas veias
Athos Bulcão para Mercado Municipal de Brasília
Um painel para a UDF
Um mosaico para o Dr. Oscar
Mosaico homenageia Paulo Freire
Um painel abstrato para Imprensa
Calçadas abrem espaço para intervenção
Totens musivos da paz
Mostra Musiva de Brasília
Muitas pedras no caminho de Drummond
Chavarria, um mestre catalão em Brasília
Minha musa judaica
Novos aparadores
Mosaicos de Buenos Aires
A boa arquitetura e o bom mosaico
O mosaicista Athos Bulcão
minhas mulheres
O mosaico espontâneo de Ilana Shafir
Meus painéis de JK na mídia de Brasília
aparadores de parede
Dona Sarah Kubitschek
Bancos de Jardim
Cora Coralina, um painel
Congresso do Mosaico
Posters de mosaicistas estrangeiros

foto parcial do painel de Portinari
portinarifragmento2paratripodgougon.jpg
foto enviada pela mosaicista Adriana Teixeira de Moraes

A assinatura de Portinari em tesselas vítreas
portinariassinaturaparatripod.jpg

No universo de obras-primas deixadas por Cândido Portinari é importante destacar as que realizou em mosaico no início dos anos 50, numa época em que a linguagem musiva atraiu muitos outros grandes nomes da arte moderna, dentre os quais Di Cavalcanti, Athos Bulcão,  Paulo Werneck, Lívio Abramo, Douglas Marques de Sá, Clovis Graciano, Volpi e outros.
De uma estudiosa da obra de Portinari recebi, gentilmente, fotos , dimensões e data de dois painéis musivos do grande artista na cidade de São Paulo. Um deles é a obra "Bandeirantes", em pastilhas de azulejo, realizada para o Hotel Comodoro que vem tentando vendê-la em leilão, até agora sem êxito. O lance mínimo estabelecido pela casa leiloeira é de R$ 1,2 milhão.
O outro painel é todo em pastilhas de vidro (2cmx2cm) e trata-se de um abstrato, localizado na Galeria Califórnia, do Cine-Barão. O trabalho foi examinado e citado em tese de mestrado sobre a obra de Portinari, apresentada em Montpellier pela professora Suzette Venturelli, da Universidade de Brasília.
Além dos painéis musivos de São Paulo, Portinari legou outros trabalhos no gênero em outras cidades. Juiz de Fora abriga um deles e espero poder apresentar foto brevemente aqui nesta página.

portinarifragmento1.jpg

Mosaicista de Santos envia fotos detalhadas dos painéis de Portinari
Adriana Teixeira de Morais, artista jovem formada em Artes Plásticas pela Universidade Santa Cecília (em Santos, SP), empreendeu um trabalho de formatura interessantíssimo sobre arte musiva, trazendo à tona relatos e documentação da presença de mosaicos em São Paulo, especialmente realizados por Portinari, Di Cavalcanti e Clovis Graciano.
Generosa, teve a grande gentileza de me enviar fotos mais aproximadas dos dois painéis de Portinari (que já estavam apresentados aqui na página, mas através de fotos de baixa resolução). Agora, já dá para perceber melhor a grandeza das duas obras de forma mais detalhada, podendo-se compreender melhor a qualidada da obra genial do artista através da expressão musiva, em pastilhas de vidrotil.

painel Bandeirantes, realizado em 1952
portinari2.jpg
Obra musiva de Portinari, no Hotel Comodoro,que a colocou à VENDA

"ABSTRATO" é um mosaico em pastilhas de vidro
portinari.jpg
Trata-se da única obra do gênero, em mosaico, assinada por Portinari

Uma das raríssimas obras abstratas de Portinari
portinariabstratofragmento1.jpg
Seus painéis musivos também foram pouquíssimos

Portinari: Uma raridade quase escondida em S. Paul
portinariabstratofragmento2.jpg
O grande mestre da pintura exibe seu vigor no mosaico

Eis os dados que obtive sobre as duas obras:

 

Bandeirantes

[1951 e 1952]
Pintura mural em mosaico
253,5 x 742,5cm (painel)
2 x 2cm (pastilhas) (aproximadas)
Assinada no canto inferior direito "PORTINARI".


Obra executada para decorar um dos salões do Hotel Comodoro, em São Paulo, SP.

Leilão:

Villa Antica (São Paulo, SP). Leilão, 29-31 ago. 2000. Org. Emerson Osternack Curi. [Portinari: 2 obras]

Livro:

Cavalcanti, Carlos (Org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília, DF: INL, 1973. 4 v. il. (Coleção Dicionários Especializados, 5).

Artigos de periódicos:

Helen. Jantar de anteinauguração. [s.n.], São Paulo, SP, [195-].

Resumo: Trata da inauguração do Hotel Comodoro, que possui em seu acervo, além do painel "Bandeirantes" de Portinari, obras de Djanira e Bruno Giorgi.

 

Andrade, Carlos Drummond de. São Paulo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, RJ, 20 dez. 1955. Imagens de 24 Horas.

Resumo: Crônica sobre a cidade de São Paulo, com citação do painel de mosaicos de Portinari, no Hotel Comodoro.

 

"Bandeirantes", um novo mural de Portinari. Diário de São Paulo, São Paulo, SP, 20 jan. 1952.

Resumo: Noticia a inauguração do Hotel Comodoro, em São Paulo, informando ter sido decorado com um mural de Portinari, cujo tema são os bandeirantes.

 

Abstrato

[1952 e 1953]
Painel de pastilha de vidro
600 x 2000cm (painel) (aproximadas)
2 x 2cm (pastilhas) (irregular)
São Paulo, SP
Assinada na metade inferior direita "PORTINARI".

Obra executada para revestir parte da parede lateral direita da Galeria Califórnia, próxima à entrada do Cine Barão, localizados no Edifício Califórnia, em São Paulo, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer.

Artigo de Periódico:

Orçada em sessenta milhões de cruzeiros... Correio Paulistano, São Paulo, SP, 11 fev. 1951.

Resumo: Noticia a futura construção do Edifício e Galeria Califórnia, projetado por Oscar Niemeyer e onde está prevista a execução de um painel de Portinari.

Livro:

Venturelli, Suzete. Candido Portinari: 1903-1962. Montpellier, FRA: Université Paul Valéry, [198-]. 96 f. il. (ref. página 76)