Mosaico contemporâneo de Gougon
Mosaico pela paz

Home

Mosaico pela paz
Iraque, berço do Mosaico
Calçadas portuguesas
Calçadas brasileiras
Mostra Musiva de Brasília
Painéis de Clóvis Graciano
Mosaicos de Portinari
Muitas pedras no caminho de Drummond
Chavarria, um mestre catalão em Brasília
Minha musa judaica
Novos aparadores
Mosaicos de Buenos Aires
Os mosaicos da Basílica de Nazaré
Mosaico de Manabu Mabe e o Ateliê Sarasá
Tomie Ohtake expande a arte musiva
A boa arquitetura e o bom mosaico
O mosaicista Athos Bulcão
Mosaico Romano encontrado na Inglaterra
Deu na TIME: Mosaico de Tiago, irmão de Jesus
O impulso musivo na Arquitetura Espontânea
Escher e o mosaico no mundo islâmico
Mosaico no chão eterniza Noel
A viúva do Plínio Salgado
Palácio Lauro Sodré (Belém,PA)
A suastica no mosaico romano
minhas mulheres
O mosaico espontâneo de Ilana Shafir
Meus painéis de JK na mídia de Brasília
aparadores de parede
Dona Sarah Kubitschek
Bancos de Jardim
A Imperatriz e o Patrimônio Histórico
Pergunte ao Gougon
Cora Coralina, um painel
Os ítalo-brasileiros Gianfranco Cerri e Alfredo Mucci
Tomie Ohtake em Brasília
Congresso do Mosaico
Posters de mosaicistas estrangeiros
Sites de busca

A partir desta segunda-feira, dia 24 de março, estarei dando início a uma oficina de Mosaico para construção de uma obra pela paz. O objetivo é realizar duas peças totêmicas, cada uma com 240 cm x 50 cm, com o objetivo de formar o que eu chamaria de "torres gêmeas da paz". O trabalho estará sendo realizado no Espaço Cultural da 508 Sul e contará com a participação de até 12 mosaicistas.
A idéia é que cada um expresse livremente, nas pedras, seu sentimento em relação à paz e sua indignação com o bombardeio absurdo e criminoso ao Iraque. Espero poder realizar rapidamente o trabalho e erguê-lo em área pública de Brasília, operando uma espécie de intervenção urbana, de que muito a cidade carece, já que vive de seu artificialismo, fechando os olhos para as agressões alhures e dentro da própria casa. Na realidade, venho descobrindo aos poucos as possibilidades de intervenção na cidade, ainda que tardias. Por ser uma cidade oficial, tombada pela Unesco, há sempre uma desculpa das autoridades locais para impedir o uso do espaço público para colocação de peças de arte, capazes de representar o sentimento contemporâneo.
Pois é exatamente este desafio que vamos assumir agora, tão logo as torres gêmeas da Paz estejam prontas. A cidade é de seus moradores e vamos assumí-la, responsavelmente.
Convido os brasilienses que frequentam este site a associar-se ao projeto, que espero concluir antes que Bagdá desapareça nas mil e uma noites do pesadelo ocidental. Nosso grito de desespero e protesto não ficará preso na garganta. Faremos nossa obra com tesselas de mármores e granitos, mas também com pedras e outros materiais que possam dar forma adequada a nosso canto de revolta.

Enter content here

Enter supporting content here